Archive for the ‘Água’ Category

Telhados verdes ou Ecotelhados

Telhados verdes ou Ecotelhados

telhado-verde-5-375x290

 

Acredito que os telhados verdes começarão a salpicar pelas cidades, não só pela beleza mas também por seus muitos benefícios.

Sobre os nossos telhados podemos fazer o cultivo de diversas hortaliças e de quebra reduzir a temperatura interna do edifício em média em 5 graus pela absorção e reflexão de luz e calor, aumentar a absorção de água, a filtrando e a retendo, reduzindo nossa exposição às enchentes.

Também percebemos redução das ilhas de calor, aumento da biodiversidade e a redução da emissão de carbono e com isso reduzindo o efeito estufa.

Benefícios

  • Redução da necessidade de ar condicionado e aquecedores (conta de energia elétrica menor).
  • Produção própria de ervas e hortaliças.
  • Redução da temperatura no verão e aquecimento no inverno.
  • Equilibrio da umidade do ar

Alguns municípios partiram na frente e estão criando os seus selos verdes para edifícios sustentáveis, o telhado verde é um dos itens abordados por alguns, e em contrapartida oferecem a redução de impostos e tributos, como o IPTU.

A moda vai pegar? Esperamos que sim! Depende somente de nós mesmos, é claro que com um certo incentivo é muito melhor, mas o que não dá é para esperar de braços cruzados alguma ação dos nossos competentes governantes.

*******************************************************

Renato Moreno Munhoz 21-9432-2321

 sindicoeasyway@gmail.com

http://www.twitter.com/c_sustentaveis

Anúncios

Ecofaxina: Condomínio limpo sem produtos químicos

Ecofaxina: Condomínio limpo com o uso de menos produtos químicos.

 

É possível mesmo nas áreas comuns dos condomínios a redução do uso de produtos de limpeza químicos e gradualmente  substitui-los por produtos naturais, mais baratos, não nocivos à saúde, com menos agressão ao meio ambiente e ainda assim com a mesma qualidade de limpeza.
Se engana quem acha que para se livrar dos germes é preciso um arsenal de produtos químicos. Confira algumas dicas para quem quer manter seu condomínio e casa limpas e sem agredir o meio ambiente.

 

Vaso Sanitário

Para deixar o vaso branquinho e livre dos germes, basta adicionar meia xícara de vinagre a uma colher de sopa de bicarbonato de sódio. Aplique essa mistura no vaso sanitário, deixe agir por 30 minutos e depois é só esfregar bem. O ideal é fazer esse tipo de limpeza uma vez por semana.

 

Azulejos

Para remover o limo dos rejuntes de azulejos do banheiro, aplique uma boa quantidade de vinagre branco puro com uma escova de dentes velha. Deixe-o agir durante duas horas e, depois, lave a superfície apenas com água. A acidez do vinagre quebra moléculas de gordura e também mata bactérias e mofo.

 

Ralos

Fios de cabelo são uma das causas mais comuns do entupimento de ralos no banheiro. Para desobstruir a passagem da água, primeiro retire todos os detritos visíveis. Então, derrame ¾ de xícara de bicarbonato de sódio do ralo seguida de meia xícara de vinagre. Lembre-se de tampar o ralo imediatamente com um pano, pois a reação dessas duas substâncias produz uma efervescência. Deixe a solução agir por 30 minutos e então jogue água fervente.

 

Pia

Misture duas xícaras de bicarbonato de sódio, meia xícara de sabão caseiro, uma xícara de água e meia xícara devinagre e aplique na pia. Para polir as torneiras, use uma solução com partes iguais de bicarbonato de sódio evinagre, enxaguando em seguida.

 

Espelhos

Use um pano sem fiapos e água quente. Se tiver muitas manchas de pasta de dente, use uma solução com partes iguais de vinagre e água. Espirre sobre a superfície e depois seque com um pano. Essa mistura também pode ser usada para limpar janelas e qualquer superfície de vidro.

 

Chão

Adicione meia xícara de bicarbonato de sódio e um pouco de suco de limão a um balde de água quente. Outra opção é utilizar meia xícara de sal dissolvido em um balde de água morna. Aplique essa solução com um esfregão e, depois, enxágüe normalmente.

 

Por fim, para deixar um cheirinho bom no ar nas áreas comuns, como portaria, recepção e corredores, borrife uma solução de cravos-da-índia no ambiente. É só misturar álcool a um punhado de cravos. Mas, antes de utilizar, é preciso deixar essa mistura descansar por alguns dias. Além de perfumar, o aroma afasta os insetos.

 

Depois desta ecolimpeza, seu condomínio vai ficar um brinco e com um cheirinho super agradável. Comece agora mesmo!

 

Fonte: Pesquisa de Informações no site O Eco.

 

***************************************

Renato Munhoz – 21-9432-2321

www.twitter.com/c_sustentaveis

https://condominiossustentaveis.wordpress.com

Curiosidades sobre a Água e seu Uso Racional

CURIOSIDADES SOBRE A ÁGUA E SEU USO RACIONAL

A ONU estima que, nos próximos 25 anos, dois em cada três habitantes do planeta vão enfrentar problemas no abastecimento de água limpa.

Principais causas: crescimento populacional, poluição das águas, desperdício na distribuição e no uso, e mudanças climáticas.

Do total de água existente no planeta, 97,6% é salgada e apenas 2,4% é doce. Setenta e nove por cento da água doce se concentra em geleiras, outros 21% estão nos lençóis freáticos e 0,04% em rios e lagos. Esta conta já ajuda a derrubar a noção de que aquela água que consumimos em casa é o bem natural mais abundante da Natureza.

80% da água doce no país estão na Amazônia, longe dos grandes centros.
A poluição das águas está comprometendo não apenas o ecossistema, como também a utilização para consumo humano. No Estado de São Paulo, metades das bacias hidrográficas se encontram em situação crítica ou de alerta quanto ao grau de utilização – ou seja, no máximo 50 % do volume de água podem ser aproveitados. Este dado consta do Relatório de Situação dos Recursos Hídricos no Estado de São Paulo, produzido no ano passado pelo governo estadual.

Falta de tratamento do esgoto: em São Paulo, estado mais rico do país, apenas um município – Itu – trata 100% de sua carga poluente. Em Recife (PE), apenas 17% da população tem saneamento básico.

O Brasil desperdiça o dobro da média dos outros países, segundo a Secretaria de Desenvolvimento Urbano da Presidência da República,. Em 1999, a água perdida em tubulações envelhecidas ou desviada por ligações clandestinas chegou a 38% da oferta total. Na região norte esta perda chegou a 52%.

Há 2.000 anos, a população mundial correspondia a 3% da população atual. Enquanto isso, a disponibilidade de água permanece a mesma.

A partir de 1950 o consumo de água, em todo o mundo, triplicou.
Para cada 1.000 litros de água utilizada pelo homem resultam 10.000 litros de água poluída (segundo dados da ONU, de 1993).

No Brasil, mais de 90% dos esgotos domésticos e cerca de 70% dos efluentes industriais não tratados são lançados nos corpos d’água.

O homem pode passar até 28 dias sem comer, mas apenas 3 dias sem água.

Gotejando, uma torneira chega a um desperdício de 46 litros por dia ou 1.380 litros por mês ou mais de um metro cúbico por mês. O que significa uma conta mais alta.

Desperdiçar um filete de água de mais ou menos 2 milímetros totaliza 4.140 litros num mês.
E um filete de 4 milímetros, 13.260 litros por mês de desperdício.

Um buraco de 2 milímetros no encanamento pode causar um desperdício de 3.200 litros por dia, isto é, mais de três caixas d’água.

Fontes: Folha de São Paulo; Greenpeace;

******************************

Contribuição:

Leonardo Machado
Gerente Operacional
Re9 Instalações e Sistemas.
contato@re9instalacoes.com.br
http://www.re9instalacoes.com.br
(55 21) 3046-3107 // 7876-0068 // 113*105120

ANIMAÇÃO: “A REBELIÃO DAS ÁGUAS”

LANÇAMENTO DA ANIMAÇÃO: “A REBELIÃO DAS ÁGUAS”

Reinaldo Canto

Insumo fundamental para a sobrevivência humana, a água tem sido bastante maltratada por quem mais dela precisa. Apesar de tão importante é comum assistirmos cenas diárias de desperdício, contaminação e desrespeito.

 

Muita gente já sabe que esse bem tão precioso é escasso em várias partes do mundo e milhares de pessoas morrem no planeta em razão do consumo de água contaminada. Até mesmo aqui no Brasil, conhecido por deter 12% de toda a água potável disponível enfrenta sérios problemas para abastecer as nossas grandes cidades. A cada dia fica mais difícil levar, a seus milhões de habitantes, água tratada e de qualidade.

 

Diante desses fatos preocupantes, o cartunista Agê e o jornalista Reinaldo Canto uniram esforços para, por meio de um humor crítico, criar uma animação intitulada “Rebelião das Águas”.

http://envolverde.com.br/videos/videos-videos/a-rebeliao-das-aguas/

 

Nela, as gotinhas de água se revoltam contra as ações dos humanos e decidem fazer uma greve geral até que elas sejam tratadas com o devido carinho e respeito.

 

Como o objetivo do trabalho é chegar ao maior número de pessoas, a reprodução é livre. Divulgue!

Ahh, e antes que a rebelião das águas realmente se torne realidade, faça a sua parte e trate bem a água que você bebe e usa!!

 

****************************************
Reinaldo Canto
Blog: cantodasustentabilidade.blogspot.com
site: http://www.ecocanto21.com.br
email: reicanto@uol.com.br
Linkedin: Reinaldo Canto
Facebook: Reinaldo Canto
MSN: rreicanto@hotmail.com
Skype: reinaldo.canto
Twitter: @ReinaldoCanto

3 PASSOS PARA REDUÇÃO DO CONSUMO DE ÁGUA EM CONDOMÍNIOS

OS 3 PASSOS PARA A SOLUÇÃO DO PROBLEMA DE ALTO CONSUMO DE ÁGUA DE CONDOMÍNIOS RESIDENCIAIS E COMERCIAS

Leonardo Machado
Gerente Operacional
Re9 Instalações e Sistemas

1° PASSO (principal) é a conscientização.
2° PASSO é a avaliação da situação.
– Onde está o maior consumo?
– No jardim? Dentro das unidades consumidoras? Vazamentos?
Sabendo-se onde está o problema, temos maior possibilidade de sucesso na solução.
3° PASSO é a ação!!

VAZAMENTOS

Os condomínios mais novos estão menos propensos a vazamentos nas tubulações, porém, o vazamento doméstico, é tão danoso quanto qualquer outro. O vazamento doméstico é aquele que está dentro das unidades consumidoras (casas, apartamentos etc.), vazamento nas caixas acopladas, registro de pressão (chuveiros) dando passagem e castelos das torneiras gastos são os mais comuns.

Os condomínios mais antigos são um problema em potencial, pois além dos vazamentos domésticos, é bem provável termos vazamentos nas tubulações, nos reservatórios etc. Nesse caso, o bom é a avaliação de um profissional ou empresa especializada.

A maioria dos condomínios trata das unidades consumidoras como o problema do proprietário, porém se a água é rateada por todas as unidades, o problema é do condomínio, e como tal tem de ser levado a sério, afinal estamos falando do 2° maior custo de um condomínio, e o maior bem da humanidade.

Temos algumas soluções bem eficazes para solucionar problemas com vazamento das unidades consumidoras:

  • O treinamento dos funcionários do condomínio para fazer vistorias bimestrais das unidades consumidoras.
  • O treinamento dos funcionários do condomínio para fazer pequenos reparos como a troca de obturadores, troca do castelo das torneiras etc.

A individualização por rádio frequência é um poderoso aliado no combate a vazamentos, a maioria dos sistemas vendidos no mercado oferecem um pacote de alarmes, um deles é o alarme de vazamento. Com a implantação deste sistema o administrador passa, a saber, exatamente onde está o vazamento, tornando a solução muito mais fácil.

JARDINS E ÁREAS DE LAVAJEM

Em condomínios onde a área de jardins é muito extensa, o ideal é a captação e o reaproveitamento de água de chuva. Um bom sistema de distribuição pode economizar não só água, como também mão de obra de irrigação.

Outros usos para o sistema:

Os gastos diários com lavagem de pisos como garagens, halls e etc. chegam a quase 3% do consumo de água do condomínio. Recomendamos nesse caso, a utilização da água de reuso.

Na maioria dos condomínios a lavagem de carros é proibida, porém se o condomínio tem um sistema de aproveitamento de água de chuva com capacidade suficiente para esse fim, é possível até a criação de um micro lava jato.

ALTO CONSUMO DAS UNIDADES CONSUMIDORAS

Caso o trabalho de conscientização e conserto dos vazamentos não tenha surtido efeito, é possível a instalação de alguns sistemas que auxiliam a redução de consumo.

Seguem alguns deles:

  • Os Reguladores de pressão (em todos os pontos de consumo), em condomínios verticais é uma boa solução para as unidades dos primeiros pavimentos, onde a pressão é muito maior.
  • Arejadores (em todos os pontos de consumo) podem reduzir em até 70% o consumo de cada ponto aplicado.

Não é novidade que o chuveiro é o grande vilão de consumo de uma residência. A troca de chuveiros convencionais por chuveiros eco (até 50% mais econômicos) é uma ótima opção.

A individualização por radio frequência é de longe o sistema mais eficaz, pois gera consciência do consumo por unidade (conta justa, cada um paga o que consome) e monitora mensalmente o sistema hidráulico da unidade, qualquer possível vazamento é identificado e localizado.

A troca de torneiras e válvulas de descarga por sistemas automáticos, com vazão fixa também gera boa economia.

Leonardo Machado
Gerente Operacional
Re9 Instalações e Sistemas.

contato@re9instalacoes.com.br
http://www.re9instalacoes.com.br
(55 21) 3046-3107 // 7876-0068 // 113*105120

condominiossustentaveis@gmail.com

www.twitter.com/c_sustentaveis

Reúso da água

Reúso da água

Por Jonas Brito

Para compreender melhor a importância do reúso da água, basta ver que alguns analistas estimam que devido ao crescente aumento do consumo humano de recursos hídricos, os conflitos pela água se tornarão cada vez mais comuns no futuro próximo. Todos são unânimes em afirmar que se até há pouco tempo o petróleo foi a causa dos principais conflitos mundiais, a partir de agora tais conflitos serão motivados pela água. Ainda comparando com o petróleo, até há pouco tempo dizia-se que a água potável custaria tanto quanto a gasolina. Pois bem, refaçamos esta comparação hoje e vejamos quanto custa uma garrafinha (300ml) de água em comparação com o custo de um litro de gasolina.

Com o crescimento rápido da população nas cidades, rios responsáveis por seus abastecimentos estão cada vez mais saturados hidricamente, seja por altos volumes de captação, seja por excesso de esgotos despejados neles. Consequentemente, se vê cada vez maior o interesse da sociedade por questões ambientais, e não é diferente com a questão da falta de água. A população e boa parte dos empresários reconhecem a necessidade de maior eficiência no consumo deste bem, tão vital a todos. Neste contexto surgiu o conceito de reúso da água, que consiste basicamente em aproveitar o efluente de algum processo em algum outro, mediante ou não de algum tratamento. Quando há um tratamento, normalmente se recicla o efluente de algum processo pouco poluente para reusá-la em outro processo, que não exija altos padrões de qualidade. É possível, entretanto, que a qualidade do efluente de um processo atenda as necessidades de outro sem precisar tratá-lo.

O reúso de água começou no meio industrial, e seus sistemas ainda são distintos para cada atividade produtiva. Às vezes é preciso grandes volumes para resfriar uma estrutura, às vezes é preciso diluir algum efluente para que este não seja muito contaminante, colocando em risco o corpo hídrico receptor. E foi neste setor produtivo que surgiu a idéia de reúso da água. Com o crescimento das exigências ambientais por parte dos governos, as indústrias, principais consumidoras de água juntamente com a agricultura, se viram obrigadas a aumentar sua eficiência no consumo deste bem. Desta forma, puderam usufruir de grande economia, além de beneficiar o meio ambiente local.
Mas um importante setor da economia até pouco tempo estava de fora desta atividade tão benéfica aos corpos hídricos urbanos: o mercado imobiliário. Edifícios comerciais ou residenciais foram aos poucos reconhecendo que também poderia economizar com o uso racional da água que consumiam. As chamadas águas cinzas, que nada são além que efluente de chuveiros, lavabos, ralos de piso e máquinas de lavar, poderiam muito bem ser usadas para atender as descargas dos vasos sanitários mediante um tratamento simplificado. As empresas que construíam estações compactas de tratamento de esgoto para a indústria passaram a construí-las para condomínios e shopping centers. Como esses estabelecimentos tinham altos custos com água tratada, viram no reúso a possibilidade de economizar oferecendo água de qualidade inferior para os fins menos nobres. Dentro desses fins, além das descargas sanitárias, maiores vilãs no consumo de água em prédios residenciais, têm-se os fins ornamentais, como chafarizes, usos como vassoura hidráulica, rega de jardins, etc.

Quanto aos métodos de tratamento desses efluentes, pouco se mudou ao passar de uma escala industrial para uma escala doméstica. Atualmente seus processos são semelhantes ao tratamento dado a esgoto in natura das grandes cidades. Isso parece um tanto exagerado, quando a própria legislação permite que alguns efluentes, como por exemplo das máquinas de lavar, sejam reusados sem tratamento algum nas descargas de vasos sanitários. Como a demanda de água nas descargas é bastante superior à oferta de água das máquinas de lavar, preciso foi que se criasse um tratamento adequado que pudesse tratar também a água dos chuveiros e lavabos. Desta maneira, a oferta de água para reúso seria maior que a demanda nos fins não potáveis. Na prática, isso quer dizer que 100% da água utilizada nas descargas ou vassouras hidráulicas seriam de reúso. Isto representa uma redução de cerca de 30% no consumo de água, percentual que pode ser ainda maior na conta, visto que as principais distribuidoras de água tratada cobram mais por maiores volumes consumidos.

Pensando nisso, surgiu a ECCO Reuse, que criou e patenteou um sistema único que proporciona boa qualidade de efluente final e baixo custo operacional de tratamento de água para reúso e adequado ao uso residencial ou comercial. Ao contrário das atuais empresas que tratam água para reúso, os sistemas ECCO não reproduzem todas as etapas de uma estação de tratamento de esgoto, como reatores anaeróbios ou filtros biológicos aerados. A água tratada pelo sistema ECCO tem um tratamento físico, filtragem, seguido de um tratamento químico, cloração. Um é responsável por reduzir a turbidez e carga orgânica, enquanto o outro é responsável por desinfetar o efluente. As exigências de qualidade da água para reúso no Brasil são que a mesma seja clara, inodora e com um número de bactérias por litro não maior que os atuais padrões de balneabilidade. Visto de fora, pode parecer que os padrões exigidos são muito conservadores, uma vez que o contato que se tem com a água de reúso é muito menor que o contato ao se dar um mergulho numa praia, por exemplo.

Mas visto de dentro, e conhecendo o Brasil, sabe-se que é comum exigir padrões de qualidade superiores aos desejados, já que as fiscalizações nesse campo ainda são raras. Por este ponto de vista, é natural que se exija muito, para evitar que construtoras comecem a aplicar o reúso sem intermediação de um tratamento adequado, ou mesmo o reúso direto, sem qualquer espécie de tratamento. O não tratamento do efluente, ou um mal tratamento, pode gerar mau cheiro nos banheiros, aspecto turvo e desagradável, sem falar no risco de contaminação de funcionários que a utilizem mais diretamente como nas vassouras hidráulicas. Por isso, é de suma importância para o Brasil a divulgação de métodos adequados ao reúso doméstico e para o mercado imobiliário, assim como atentar-se para o atendimento da legislação vigente no que se refere à qualidade de água de reúso.

Jonas Brito
Mestre em Engenharia Civil, Recursos Hídricos e saneamento pela UFRJ, engenheiro civil pela UFRJ
Tel.: (21)3437-3636
http://www.eccoreuse.com.br

Educação Ambiental em condomínios

Educação Ambiental em condomínios

Por Aline Cristina Arruda

www.liarruda.wordpress.com

Moramos em uma cidade com 18 milhões de habitantes, uma das maiores metrópoles do mundo responsável por 33,9% do PIB Brasileiro, o maior centro comercial da América Latina.

A cidade de São Paulo, como a maioria das cidades brasileiras, cresceu sem planejamento e o tempo é algo precioso nessa cidade que não pára. Pensando em ações simples e rápidas para condomínios sustentáveis, pequenas ações para fazer a diferença.

Agir sustentavelmente é algo necessário para o desenvolvimento das cidades e do Planeta. O lixo é uma das maiores questões e pode ser reduzido com atitudes como coleta seletiva, minhocários. Atitudes como economia de energia e água e principalmente, o consumo são grande aliadas da sustentabilidade.

Falaremos de algumas ações que podem ser executadas por qualquer pessoa em qualquer moradia (casa, apartamento):

1.Coleta Seletiva: A coleta seletiva já faz parte da rotina de 59% da população paulista. A separação de reciclagem e não reciclável já faz parte da rotina de muitos paulistas. Algumas dúvidas sempre surgem, sendo abaixo segue uma tabela do Instituto Akatu esclarecendo o que recicla e o que não recicla.

Faço duas ressalvas a tabela acima. A primeira é em relação ao lixo eletrônico e lâmpadas. Ambos têm uma destinação diferente. Para a correta destinação do lixo eletrônico, verifique no site: http://www.e-lixo.org/. Tem um mapa de São Paulo com os locais de coleta. Vale ressaltar aqui que o descarte incorreto desses materiais pode ocasionar a poluição do solo, águas, etc.

Já as lâmpadas, o Supermercado Pão de Açúcar possui ponto de coleta. Lâmpadas, assim como eletrônicos são prejudiciais ao Meio Ambiente se descartada incorretamente.

Mais informações sobre o descarte de lixo doméstico: http://oquefazercomolixo-thi.blogspot.com/

A segunda é sobre o isopor. Isopor é reciclável e deve ser acondicionado junto com o plástico. Já temos empresas no mercado especializadas em reciclagem de isopor.

2.Minhocários: trata-se de caixas com minhocas, terra e húmus na qual se despeja o lixo orgânico e cobre com folhas secas. As minhocas realizam a decomposição dos resíduos e como resultado tem-se o chorume que é um excelente fertilizante para as plantas. Não tem cheiro nenhum. Moro em um apartamento e tenho o meu minhocário. Meu lixo reduziu consideravelmente.

A Morada da Floresta vende o minhocário pronto, e entrega em casa com manual de instrução e tudo. É só começar a usar: http://www.moradadafloresta.org.br/produtos-principal/minhocarios-domesticos

3.Economia de Energia e Água: diminuir o tempo de banho, desligar a torneira ao lavar a louça e ligar para enxaguar, evitar deixar as luzes ligadas durante o dia, os eletrodomésticos na tomada quando não estiverem em uso, são algumas atitudes que podem fazer a diferença.

4.Redução do Consumo: resíduo bom é resíduo não gerado. Pensar na hora de consumir, priorizar produtos que tenham menos embalagens, pensar antes de consumir, dar preferência a alimentos orgânicos (que além de sustentáveis por não usarem agrotóxicos e não poluírem o solo e o lençol freático, fazem muito bem a saúde), fazer compras em comércio próximos à sua residência valorizando o comércio local, usar mais transportes públicos e menos carro, etc. O Instituto Akatu tem diversas dicas relacionadas a Consumo Consciente até um manual. Moda já é sustentável, usam-se tecidos sustentáveis e resíduos de plástico e papel.

Mais informações: http://www.akatu.org.br/

Elevadores são ótimos lugares para folhetos informativos sobre reciclagem, composteiras, economia de energia e água. Se o seu condomínio tiver um jornalzinho vale a pena escrever sobre atitudes sustentáveis.

Educação Ambiental não é restrita a escola, a cursos, mas uma conversar com os amigos, com a família, ensinar seus filhos de uma forma divertida, explicar para as crianças a importância de cuidar das suas coisas, da casa, do bairro, da cidade e do mundo. Somos multiplicadores de opinião, idéias, valores.

Eu tento não ser a eco chata que sempre fica falando de meio ambiente, mas sempre que posso passo algum conhecimento para meus amigos, sobrinhos e família. Usar as redes sociais, os meios de comunicação (emails, jornais do condomínio) para educar.

E sem nunca esquecer das eleições, de conhecer os candidatos e seus planos de governo, e não só os cargos executivos mais os legislativos (Deputados e Senadores), pois são eles que criam e votam as nossas leis.

Eu acredito nas leis para solucionar problemas em curto prazo e Educação em longo prazo. Qualquer pessoa pode começar a qualquer momento. E não podemos deixar de cobrar ações de nossos governantes. De um em um, só em São Paulo somos 18 milhões.

Contribua você também com artigos, ideias e sugestões!

Condomínios Sustentáveis

condominiossustentaveis@gmail.com

Twitter: @c_sustentaveis

%d blogueiros gostam disto: