Posts Tagged ‘eficiência’

Os Condomínios e o Racionamento de Energia Elétrica

Os Condomínios e o Racionamento de Energia Elétrica

 

carvão

 

Vendo sendo comentado na mídia nos últimos dias o risco que a falta de chuvas pode causar ao sistema elétrico, quando não chove, as usinas hidrelétricas ficam sem seu principal insumo, a água.

Parece um circulo vicioso, a falta de água obriga o governo a ativar as usinas térmicas para suprir as necessidades de energia elétrica das residências e empresas. O uso nas usinas térmicas, além de muito mais caro, emite gases do efeito estufa e geram além de energia, calor. Todos esses elementos contribuem para o aquecimento do planeta e consequentemente as mudanças climáticas, mais calor, menos chuvas etc. Voltando ao ponto inicial, onde o remédio pode estragar mais do que a doença.

E onde estamos nessa história? Somos os grandes consumidores de energia, não digo que devemos abdicar das conquistas modernas, ar condicionado, geladeira, iluminação, diversão, mas sim que utilizemos os recursos com eficiência.

Já foram postados aqui vários artigos sobre formas de se reduzir o consumo sem abrir mão do benefício, mudanças de procedimento, substituição de equipamentos por outros que consomem menos energia, desligar o que não está sendo utilizado e não superdimensionar as necessidades são apenas alguns exemplos.

O uso racional de energia não vai somente evitar um iminente racionamento, mas evitar a necessidade de mais usinas térmicas, evitar a necessidade por mais hidrelétricas, isso significa menos uso de gás, carvão, menos emissões de CO2, menos áreas alagadas, menos desmatamento, menos indígenas desapropriados.

Uma lâmpada ao ser apagada pode parecer algo insignificante se comparado ao universo de lâmpadas, mas um milhão de lâmpadas apagadas começam a fazer a diferença, faça você a diferença!

**********************************************

Renato Munhoz

21-9432-2321

sindicoeasyway@gmail.com

www.sindicoprofissionalrj.wordpress.com

Anúncios

Pense Global, aja localmente

Pense Global, aja localmente


Parece que as nossas pequenas ações nada mudarão a nossa relação com a sustentabilidade, mas como diz o ditado: “de grão em grão que a galinha enche o papo”; podemos sim fazer a diferença.

Certamente algumas dessas ações não terão efeito sentido no local onde você mora, mas por exemplo, a redução do consumo de energia elétrica, por menor que seja, se for adotado por muitos poderá se refletir em ganhos enormes.

As cidades estão consumindo mais energia do que nunca, é o custo da comodidade, podemos nos damos à esse luxo e muita coisa pode ser feita para minimizar esse impacto, algumas extremamente simples, sem comprometer o conforto.

O aumento do consumo nos faz ir atrás de cada vez mais fontes de energia, sejam limpas ou as teoricamente limpas como as hidreletricas, que dependem de desmatamento e alagamento de áreas.

 

Nesse ritmo precisaremos de quantas novas Belo Monte?

 

Pensando nisso, e tentando minimizar a nossa pegada no planeta, elaborei um conjunto de ações simples que podem parecer clichê, mas que se adotados em sua maior parte pela maioria das pessoas, poderemos começar a sentir algum efeito direto nas nossas vidas.

 

Dicas simples:

 

1. Valorize a luz natural, mantenha suas cortinas abertas.

2. Pinte as paredes de casa com cores claras e ecológicas.

 


3. Dê preferencia a comprar produtos fabricados e comercializados próximos de sua residência, nada contra os chineses, mas seus produtos são produzidos com matriz energética à base de carvão e o transporte emite toneladas de CO2.

 

4. Retire aparelhos e carregadores das tomadas quando não estiverem em uso.

5. Reduza o brilho do monitor do computador.

 


6. Evite o uso de lâmpadas incandescentes, prefira lâmpadas fluorescentes e de LED, compre lâmpadas de boa qualidade, lâmpadas muito baratas têm normalmente vida útil menor.

 

7. Use menos o carro, prefira a bicicleta, caminhadas e fazer compras nos mercados próximos, com uso de carrinhos e ecobags.

 

8. Faça uma pequena horta de temperos e ervas, dá vida à casa e produtos de qualidade garantida. http://planetasustentavel.abril.com.br/noticia/casa/conteudo_411077.shtml

 


9. Plante uma árvore, ahh não tem espaço e nem tempo? A SOS Mata Atlântica pode fazer isso por você através do www.clickarvore.com.br

 

****************************************

Renato Moreno Munhoz – 21-9432-2321

sindicoeasyway@gmail.com

http://www.twitter.com/c_sustentaveis

Eficiência x Eficácia

Eficiência x Eficácia

Quando nos referimos à qualquer atividade que utiliza recursos como tempo, eletricidade, água, humanos e materiais, precisamos conhecer o conceito de eficiência e eficácia. É a partir disso que saberemos se as nossas atividades estão sendo realizadas apenas objetivando o resultado final ou se os meios para alcançar são pensados para serem realizados da melhor forma possível.

Eficácia – Realizar aquilo que se propõe realizar

 Eficiente – Realizar aquilo que se propõe realizar da melhor forma possível, com uso ótimo dos recursos disponíveis.

Um exemplo interessante seria o de uma lâmpada incandescente, ela é 100% eficaz na sua missão de iluminar, porém não pode ser considerada eficiente uma vez que as lâmpadas fluorescentes são capazes de emitir a mesma luminosidade utilizando muito menos energia elétrica.

 Eficiência no Condomínio

E quanto ao seu condomínio, muito provavelmente dirá que não sabe ou que o considera apenas eficaz, ou então eficiente em alguns pontos. Isso acontece por que os prédios antigos não possuíam a preocupação e nem a tecnologia necessária para reduzir os consumos e hoje mesmo com todos os grandes avanços, as novas construções esbarram na redução de custos, tudo isso aliado a falta de processos bem definidos.

Como sermos eficientes?

A base de toda eficiência está na otimização dos processos e das adequações físicas do ambiente, cada etapa da atividade deve ser analisada e detalhada.

O detalhamento da execução das inúmeras atividades vai expor as deficiências dos processos e otimizar o tempo gasto para execução, menor insalubridade aos funcionários, menor gasto com produtos de limpeza e manutenção.

Nenhum processo é estático, sempre a cada execução deve-se avaliar os pontos positivos e negativos, isso é conhecido como processo de melhoria contínua e deverá ser incorporado ao planejamento das próximas execuções.

Capacidade Ociosa

Ser o mais eficiente não significa ter o melhor e mais caro sistema disponível no mercado, e sim aquele que seja dimensionado para a sua necessidade, a ociosidade de um recurso é um parâmetro de ineficiência, mostrando que se tem muito mais do que precisa, isso se traduz em realizações das manutenções nos prazos máximos permitidos, bombas de água que atendam a demanda sem sobras, quadros elétricos bem dimensionados etc.

Alguns exemplos de atividade que podem ter suas etapas melhor detalhadas gerando ganhos em relação ao uso dos diversos recursos.

Água

  • Varrição no lugar da lavagem
  • Filtragem da piscina ao invés de troca da água
  • Lavagem de cisternas e reservatórios sem descarte de água
  • Rega de jardins e plantas
  • Identificação de possíveis desperdícios

Energia elétrica

  • Manutenção dos quadros e painéis elétricos
  • Análise das instalações elétricas e sistema de iluminação
  • Desligar iluminação e outros equipamentos elétricos quando não estiverem em uso

Conclusão

Resumindo tudo o que foi dito, ser eficiente é fazer mais por menos, ganhamos na sustentabilidade, no uso da mão de obra, nos materiais e equipamentos empregados e financeiramente, além de garantir a satisfação dos moradores.

condominiossustentaveis@gmail.com

twitter: @c_sustentaveis

Aquecedores de água à gás – O problema não é só do morador

Aquecedores de água à gás

Muitos aspectos podem ser abordados sobre os aquecedores, podemos tratar o consumo de gás, de água, descarte apropriado de materiais e segurança e por isso também deve ser uma preocupação do administrador do condomínio, além dos moradores.

O primeiro passo é a escolha de um equipamento classificado como de eficiência enérgética tipo A e contratar a instalação de um profissional capacitado, que garantirá o seu bom funcionamento e a segurança. Isso é o básico para qualquer aquecedor, existem diversos tipos no mercado, com diferentes caracteristicas e formas de acionamento.

Local de instalação

Em condomínios novos ou durante obras, quando possível é interessante a instalação dos aquecedores em local próximo de onde será o uso (chuveiro ou torneira), a água fria que está no cano e o tempo para aquecer provoca perda da água fria, além do fato de haverem perdas de calor durante o trajeto da água. Essa água pode ser coletada em baldes ou bombonas para rega de plantas ou despejo no vaso sanitário, a perda pode chegar de 10 a 15 litros por banho, em um grande condomínio isso se transforma em milhares de litros, no caso do meu condomínio são mais de 1.500 litros de água totalmente limpa perdidos todos os dias.

Existe no mercado um aquecedor para chuveiros adequado para banheiros com ótima circulação de ar, este elimina perdas de calor e por estar conectado direto ao chuveiro não desperdiça a água fria presente no cano.

Quase todos os problemas vêem depois da instalação do equipamento, que é a correta regulagem e manutenção, e é por isso que a revisão deve ser lembrada, cobrada ou contratada pelo condomínio e ocorrer de forma periódica.

Itens que devem ser verificados

  • Vazão da água – não coloque a vazão da água no máximo, sempre sairá mais água do que necessita, gerando desperdício.
  • Controle da chama dos queimadores – a regulagem muito alta da chama pode causar o desperdício tanto de gás quanto de água.

Imagine que o seu aquecedor aquece a água a uma temperatura superior aquela que você suporta, para isso você tem duas alternativas pouco sustentáveis, a primeira aumentar o fluxo da água com consequente redução da temperatura, mas com aumento de consumo de água, a segunda opção seria ligar a água fria, que misturada à quente a resfriaria, nesse caso você já gastou gás para aquece-la e depois teve que resfriá-la.

A solução é controlar a vazão do gás no registro, de modo a garantir que a quantidade de água seja suficiente e que a temperatura esteja ideal.

Hoje já existem aquecedores com sensores de temperatura que controlam a da chama e entregam a água na temperatura ideal, é o mais recomendado para quem pode gastar um pouco a mais.

  • Pilhas – grande parte dos aquecedores funcionam com pilhas, aqui estão dois problemas, o primeiro é a falta de troca periódica, as pilhas velhas retardam o acionamento da chama enquanto a água continua a correr, a demora no aquecimento da água gera desperdícios principalmente nos banhos. Nesse caso recomendo a troca das pilhas e o uso de pilhas alcalinas com maior capacidade e tempo de uso.

Descarte – Lembro que as pilhas NUNCA devem ser jogadas no lixo comum, elas possuem metais pesados altamente poluentes. Alguns lugares recolhem e reciclam as pilhas e baterias usadas, um exemplo é o Banco Santander.

Resumo de recomendações

  • Compra de equipamento eficiente
  • Instalação segura e em local próximo ao uso
  • Controle da vazão de gás e água
  • Troca periódica e descarte adequado das pilhas

 

condominiossustentaveis@gmail.com

%d blogueiros gostam disto: